O ladrãozinho

Saudações, aventureiro desbravador de tocas. O verão surgiu implacável e mais um escrito pouco coerente foi proporcionado por ele. Este provavelmente é meu último texto antes do final do ano, então, desde já, desejo-lhes boas festas e que o velho Nicolau não lhes presentei com carvão.


Por falar em crianças más, lembrou-me que jogadores maus também precisam receber seu combustível para churrasqueira. Primeiramente gostaria de fazer uma definição de jogador mau. Ele é facilmente reconhecido em uma mesa de RPG, é o cara que em toda campanha aparece com mais experiência do que deveria ter, em sua ficha há mais lacunas preenchidas do que o correto, seus pontos de vida são regenerados sem o auxílio de descanso ou artifício mágico, muito conhecido pela alcunha que o Chaves recebeu no lugar do senhor Furtado, “ladrão” ou “ladrãozinho” para os mais íntimos. O ladrãozinho é uma criatura sui generis, de difícil compreensão, pois seus hábitos só podem ser compreendidos por ele, digo isso porque eu não consigo entender o que o motiva a roubar, e roubar de maneira burra, já que normalmente todos sabem que ele está roubando, o mestre se irrita, os jogadores se sentem injustiçados e ele se regozija. O motivo? Só Deus sabe. Talvez o diabo também.

 
Longe de mim ser um paladino da justiça que nunca roubou em um jogo, mas há coisas inaceitáveis e acredito que o ridículo seja uma delas. É normal que o dado caia debaixo da mesa e você diga que deu outro resultado em um momento crítico, acredite, o mestre sabe que não é verdade, e não tem problema, o dado é apenas um facilitador da aventura, não é necessário ser refém dele, às vezes podemos deixá-lo de lado (de maneira discreta é claro, faz parte da magia do jogo acreditar que a sorte é quem manda na aventura), isso é claro em prol de um bem maior; É normal você utilizar mais magias do que o seu limite diário, isso, é claro, em um momento crucial, em que faz bem o mestre fingir que não percebeu para o bom andamento da aventura. Ser ladrão não é detestável, muito pelo contrário, bons ladrões são até aclamados pelo bom trabalho, vide exemplos com o de Robin Wood, Jesse James, Billy the Kid, John Dillinger
e Michel Temer. são ladrões, mas sempre serão lembrados pela história, até mesmo com certo respeito. O que é detestável é o ladrão ruim, que tem fama de ladrão, rouba descaradamente, todos sabem quando e como ele rouba, ele não tem necessidade nenhuma de roubar, mas rouba mesmo assim, por uma espécie de doença patológica desprezível que as pessoas só aturam por pena do ridículo que o outro está se fazendo passar.

 
Por muitos anos eu tentei combater o ladrão desprezível, vulgo ladrãozinho, mas eu sempre era derrotado. Eu contava a experiência na frente de todos, apagava pontos fictício, marcava eu mesmo os pontos de vida e sempre deixava claro que não confiava nesse tipo de jogador, no entanto eles são persistentes, não se importam em serem descobertos, recontam a experiência como a raposa Fink do Pica-pau, preenchem outros pontos para compensarem os apagados, e inventam poções de cura que nunca apareceram. É exaustivo e estressante ter que lidar com o ladrãozinho, eu normalmente desistia e era derrotado pela pena que o ridículo nos impõe, até que eu aprendi a combater eficazmente. Da mesma maneira que Anakin não podia derrotar Obi-wan em um terreno mais alto, eu não poderia derrotar o ladrãozinho usando armas inferiores às dele, eu precisaria lutar de igual para igual. Nada é mais irônico do que ver um ladrão clamando por justiça. O único meio de vocês combaterem um ladrão ruim, meus amigos, é tornando-se um pior do que ele. Aumente o acerto de seus monstros para enfrentá-lo, mas só contra ele, erre um jogador que tem a mesma defesa que o ladrãozinho tirando um 6 no dado, mas acerte-o com o mesmo número; dê dano dobrado para cada ponto de vida que ele recuperar ilegalmente; faça ele entender que está sendo roubado descaradamente e torne inútil todos os artifícios que ele usar para roubar. O grande segredo que eu uso é não me utilizar de escudo, que é praticamente um atestado de roubo do mestre, sugiro que mostre o resultado e acerte mesmo com os números mais baixos, usar escudo da legitimidade ao roubo e você não quer isso, precisa ser um ladrão tão ruim quanto o que você está enfrentando. Acredite, antes do final do mês o ladrãozinho vai sair da sua campanha e é bem capaz dele sair por aí te chamando de ladrãozinho também


Texto escrito integralmente por Samuel Feitoza da Taverna do Dragão!

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s